ENCICLOPÆDIA

BIOGRÁFICA DE

ARQUITETAS e ARQUITETOS

DIGITAL 

"EBAD" - DESDE 2015 - by Silvio Durante
John Ruskin
♦  08 de fevereiro de 1819, Grã-Bretanha
† 20 de janeiro de 1900, Grã-Bretanha

PERFIL BIOGRÁFICO:

 

John Ruskin foi um escritor, crítico de arte, de arquitetura, crítico social e filósofo. Não foi diretamente um arquiteto, mas seus escritos tiveram profunda influência na arquitetura da Era Vitoriana, principalmente no revivalismo gótico e no movimento Arts and Crafts da Grã-Bretanha, além de ter influenciado muitas personalidades do mundo todo com suas teorias sobre as idiossincrasias culturais, como o líder indiano Mahatma Gandhi, os urbanistas britânicos Richard Parker e Raymond Unwin e o arquiteto espanhol Antoni Gaudí.

 

Ruskin  era o unico filho de uma religiosa familia de comerciantes. Seu pai, John James Ruskin, era um comerciante de vinho escocês que se mudou para Londres e fez fortuna no comércio. Desde cedo estudou artes e demonstrou-se grande talento para tal.

 

Esta combinação intensa entre religiao e arte foram as bases dos pontos de vista de Ruskin para com a arquitetura. 

 

Por meio dos negocios de seu pai, ele tomou contato com diversos artistas da época e em meados da década de 1830 ele estava publicando peças curtas em prosa e verso nas revistas inglesas, e em 1836 ele ja publicava críticas de arte. Passa cinco anos na Universidade de Oxford, durante o qual ele ganhou o Prêmio Newdigate de poesia.

 

Em 1843 Ruskin publicou o primeiro volume de "Modern Painters", um livro que seria composto por cinco volumes e ele levou 17 anos para publicar todos os volumes. Projeto trabalhoso e talvez o mais importante de sua carreira de crítico de arte, somente em 1860 terminou a obra quando publicou o quinto e último volume de 'Modern Painters'.

 

Após a publicação 'Modern Painters', Ruskin tomou conhecimento de um outro movimento artístico de vanguarda: a redescoberta crítica da pintura da Idade Média góticas. Ele escreveu sobre esses pintores idealistas no final do segundo volume de 'Modern Painters'

    

Esse entusiasmo medievalista foi uma forma de rejeitar os pressupostos neoclássicos de escolas de arte contemporânea. Ruskin publicou um panfleto entusiasmado em 1851, a favor do revivalismo gótico nas artes em geral.

 

Seu medievalismo foi ainda mais importante no campo da arquitetura, onde o neogótico era como uma expressão direta do novo espírito produtivo de seu tempo. Ruskin esteve envolvido em um grande projeto de edifício de estilo gótico em 1844. Em 1848, recém-casado com Euphemia Gray, Ruskin em sua viajem de lua de mel visitou as igrejas góticas do norte da França e começou a escrever seu primeiro grande livro sobre edifícios, chamado "As sete lâmpadas da arquitetura" (1849). Concebida no contexto preocupante das revoluções européias de 1848, o livro estabelece sete princípios morais (ou "Lâmpadas", como ele chamava) para orientar a prática arquitetônica. As "Sete Lâmpadas" são: Safrifício, Verdade, Poder, Beleza, Vida, Memória e Obediência. Em novembro do mesmo ano, Ruskin foi para o exterior novamente, desta vez para Veneza para pesquisar um livro ainda mais substancial na arquitetura.

 

Intitulado "As pedras de Veneza", o novo livro foi publicado em três volumes, um em 1851 e os outros dois em 1853. Em parte é uma história laboriosamente pesquisada da arquitetura de Veneza, com base em longos meses de estudo direto dos edifícios originais. Mas é também um livro de polêmica moral e social  As pedras de Veneza foi uma celebração do gótico italiano em relação ao neoclassicismo.

 

A nomeação de Ruskin como professor de Belas Artes na Universidade de Oxford, em 1870, foi um incentivo bem-vindo em uma fase conturbada de sua carreira, pois suas críticas ao capitalismo e a opressão da economia sobre a arte não agradava as classes dominantes inglesas. No ano seguinte ele lançou uma revista de crítica de arte, onde desenvolveu suas teorias sobre as idiossincrasias culturais. Sua ultima obra foi uma biografia não concluída, iniciada em 1885.

 

Ele morreu em 1900, em Lancashire

John Ruskin,

retrato de 1836

OBRAS SELECIONADAS:

 

> (1) Museu de Oxford (obra de Bennjamin Woodward, sob orientação de Ruskin) 1859.

> (1) Museu de Oxford
> (1) Museu de Oxford

> (1) Museu de Oxford (obra de Bennjamin Woodward, sob orientação de Ruskin) 1859.

press to zoom

 - Referencias:

 

- SHRIMPTOM, Nicholas. John Ruskin. Enciclopedia Britannica. Disponivel em www.britannica.com/biography/John-Ruskin. Acesso em 05 de agosto de 2015

 

- CRAVEN, Jackie. John Ruskin: Writer, Critic, Artist & Philosopher (1819-1900). Disponivel em architecture.about.com/od/greatarchitects/p/ruskin.htm

 Acesso em 05 de agosto de 2015.

 

-GLANCEY, Jonathan. Guia Ilustrado de Arquitetura. Trad. Laura Alves e Aurélio Rebello. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

 

Como citar este documento:

Enciclopædia Biográfica de Arquitetos Digital

Autor(es) do verbete:: DURANTE, Silvio
Título: John Ruskin

Documento nº: R17

Disponível na Internet via: 
Última atualização: 05/08/2015

Início

Índice A-Z

Enciclopédia Biográfica de Arquitetas e Arquitetos Digital