ENCICLOPÆDIA

BIOGRÁFICA DE

ARQUITETAS e ARQUITETOS

DIGITAL 

"EBAD" - DESDE 2015 - by Silvio Durante
Luis Fernando Cruvinel Teixeira
♦ 13 de outubro de 1943– Goiânia, Goiás (Brasil)
† -

PERFIL BIOGRÁFICO:

 

Em 1968 graduou-se em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de Brasília. Fez pós-graduações em Estudos Tropicais para Arquitetura e Meio-ambiente e posteriormente em Planejamento Urbano e Regional, ambos na Architectural Association School of Architecture – Londres-Inglaterra.

 

Trabalhou na Inglaterra e nos Estados Unidos. Foi Professor Universitário no período entre 1974 e 1978 e formulador da criação do Instituto de Desenvolvimento Urbano de Goiás, INDUR, órgão que administrou a política urbana no Estado de Goiás.

 

Adquiriu notoriedade, junto com o também arquiteto e urbanista Walfredo Antunes de Oliveira, com o projeto urbano da cidade de Palmas, Capital do Estado do Tocantins. Este Estado foi criado a partir do desmembramento do Estado de Goiás no ano de 1989. 

 

O convite do governador Siqueira Campos e de autoridades da época para realizar o projeto de Palmas posteriormente foi apresentado ao presidente da República, José Sarney. O projeto de Palmas tem princípios opostos ao de Brasília.  Nesta cidade, os arquitetos procuraram uma malha quadriculada, com clara integração dos diferentes usos em todos os espaços enquanto a Capital Federal possui um traço mais determinista que não respeita essa noção básica de diversidade

 

Elaborado em 1988, com previsão de assentar uma população de 2 milhões de habitantes. Em 2007 a população atingiu 250 mil habitantes. Na cidade já encontram-se instalados e em funcionamento os principais equipamentos urbanos e arquitetônicos indispensáveis à questão urbana e do estado.

 

O Plano Diretor estava assentado em 10 princípios elaborados por Teixeira e Oliveira.

 

Segundo o Site Oficial do Arquiteto Luis Fernando Cruvinel Teixeira, os 10 princípios da Cidade Palmas são:

 

Principio 1:

Ter características de cidade tradicional, estruturada por Macro Malha Viária que garanta acessibilidade a toda cidade através da continuidade e conexão  dos corredores e espaços públicos.

A malha viária principal, com dimensão que varia entre 600 X 700 metros, estrutura o tecido urbano e define o bairro. As avenidas Leste/Oeste foram desenhadas para permitir visuais do Lago e da Serra do Lajeado, elementos geográficos referenciais da paisagem da cidade.

 

Principio 2:

Proteger, Preservar e Restaurar o Ambiente Natural.
Os fundos de vale dos ribeirões que nascem na Serra do Lajeado e atravessam transversalmente a área urbanizável serão transformados em parques lineares, que preservarão suas matas de galeria. São os principais elementos definidores do desenho da cidade.

 

Principio 3:

Garantir que a cidade tenha a escala do pedestre, centro identificável, diversidade de uso e espaços públicos bem caracterizados.

O projeto urbanístico prevê duas escalas: uma para o pedestre situado no interior dos bairros e nos dois centros da cidade, a outra, de caráter urbano, é mais dinâmica e predominante na imagem da cidade. As avenidas, o centro cívico e os parques lineares serão os elementos desta escala. 

 

Principio 4:

Articular a Hierarquia entre os espaços Públicos e Privados, Cívico e Comercial.

O centro urbano deverá ter múltiplos usos. O centro cívico e as atividades comerciais articulados entre si, completam as funções urbanas do público e do privado. A Praça dos Girassóis, centro cívico da cidade, está situada na interseção das Avenidas JK e Teotônio Segurado, ponto de convergência de Palmas.
 

Principio 5:

Flexibilidade na transformação do solo garantindo a Expansão Ordenada da Superfície.

A declividade do sitio de 4 do pé da Serra do Lajeado até o Lago a ser construído, é ideal para a implantação das infra-estruturas e para circulação dos pedestres. Portanto, a cidade deverá ser implantada a partir do centro urbano, em fitas de quadras no sentido Leste/Oeste, a fim de viabilizar a sua implantação evitando vazios urbanos que oneram os custos de urbanização.

 

Principio 6:

Minimizar o impacto do Microlima, com técnicas Bioclimática inseridas no Desenho Urbano.

Palmas será implantada na cota 212 metros. O clima é muito quente variando entre seco e úmido dependendo das estações. Foram estabelecidos os seguintes princípios bioclimáticos para formulação do desenho urbano:

Aproveitar a direção dos ventos dominantes através das Avenidas Leste/Oeste, garantindo a circulação da brisa pela cidade;


Estabelecer um tecido urbano disperso, aberto e extenso;

Controlar a insolação dos espaços públicos com sombreamento;

Proteger o pedestre do sol e das chuvas com marquises e varandas;

Os edifícios públicos deverão ser implantados longitudinalmente sobre o eixo Leste/Oeste.
 

Principio 7:

Estabelecer Custos de Implantação com factibilidade Econômica.

Para viabilizar a implantação de infra-estrutura da cidade em um estado com escassez de recursos, definiu-se a densidade bruta de 300 habitantes por hectares no interior das quadras, cujo desenho poderá ter configuração flexível, desde que obedeça a densidade estabelecida pelo plano diretor.

 

Principio 8:

Garantir à população a acessibilidade ao Lago.

A cidade deverá permitir acesso ao Lago a toda população. As perspectivas das Avenidas Leste/Oeste não poderão ser interrompidas por construções e deverão na orla do Lago.

 

Principio 9:

Evitar espacializações de Funções Urbanas promovendo os Usos Mistos.

A cidade não terá usos mono funcionais evitando especializações das funções urbanas. Ao contrário, incentivará os usos mistos nas diversas zonas da cidade. Embora tenha se definido o zoneamento com áreas funcionais todas elas permitirão habitação.
 

Principio 10:

Integração da Linha Expressa com a Linha Alimentadora.

A eficiência do transporte urbano e seu baixo custo operacional será garantida com a implantação da linha expressa na Avenida Teotônio Segurado, alimentada por linhas de sentido Leste/Oeste ou vice versa. O sistema permitirá no futuro a implantação de transporte de massa. Nas Avenidas Leste/Oeste deverão ser garantidas as faixas prioritárias dos ônibus.

 

***

Palmas foi fundada em 20 de maio de 1989, mas tornou-se definitivamente a Capital do Estado do Tocantins em 1º de janeiro de 1990. Recebeu os apelidos de "A Princesinha do Brasil" e de "A Caçula das Capitais". Foi a última capital planejada,  projetada e contruída no mundo do século XX.

 

Dentro os projetos mais importantes da mais Nova Capital estadual, destaca-se o Prédio da Assembléia Legislativa do Estado de Tocantins, onde o arquiteto explorou de forma expressiva os elementos de natureza bioclimática, como planos verticais de sombreamento, pérgulas e estruturas que filtram o sol, abas e quebra-sóis de proteção para os panos de vidros, pátios associados à espelhos d’água.  Esse prédio é na verdade um conjunto de três pavimentos sobrepostos em forma  de H, gerando dois pátios simétricos.

 

Teixeira foi homenageado e reconhecido pelo Conselho Superior do Instituto de Arquitetos do Brasil, IAB, em 111º Reunião, realizada na cidade do Rio de Janeiro, por indicação do Departamento do Estado do Tocantins, quando foi outorgado o Diploma de Mérito do IAB 80 Anos, em reconhecimento aos relevantes serviços prestados à Arquitetura, Urbanismo e à Construção.

 

Abaixo um documentário sobre a implantação e criação de Palmas (10'01'')

Luis Fernando Cruvinel Teixeira

OBRAS SELECIONADAS:

 

> (1) Plano Diretor de Palmas, 1988

> (2) Plano Diretor de Palmas, 1988

> (3) Plano Diretor de Palmas, (centro administrativo) 1988

> (4) Prédio do Tribunal de Justiça de Palmas, 1988

> (5) Prédio da Sede da OAB de Palmas, 1995

> (6) Estação Rodoviária de Palmas, 1996

> (7) Prédio da Assembléia Legislativa do Tocantins, Palmas, 1990-1995 

> (8) Prédio da Prefeitura de Palmas, 1988

> (9) Prédio da Federação do Comercio de Goiás (Goiânia, 1980)

> (10) Prédio da Delegacia Tributária e Fiscal, Palmas

> (11) Praça dos Girassóis, Palmas

> (12) Prédio da Fundação Universidade do Tocantins, 1993

imagem-setor-oeste1.png
imagem-setor-oeste1.png
plano geral de palmas 1988.jpg
plano geral de palmas 1988.jpg
centro administrativo de palmas 1988.jpg
centro administrativo de palmas 1988.jpg
tribunal_de_justiça_de_Palmas_1989.jpg
tribunal_de_justiça_de_Palmas_1989.jpg
sede OAB Palmas 1995.jpg
sede OAB Palmas 1995.jpg
rodoviaria de Palmas 1996.jpg
rodoviaria de Palmas 1996.jpg
prefeitura de palmas 1989.jpg
prefeitura de palmas 1989.jpg
assembleia legislativa do Tocantins 1990-1995.jpg
assembleia legislativa do Tocantins 1990-1995.jpg
federaçao_coemrcial_de_Goias_1980.jpg
federaçao_coemrcial_de_Goias_1980.jpg
Delegacia Tributaria e Fiscal de Palmas.jpg
Delegacia Tributaria e Fiscal de Palmas.jpg
Praça_dos_Girassóis.jpg
Praça_dos_Girassóis.jpg
Fundaçao_Universidade_do_Tocantins_1993.jpg
Fundaçao_Universidade_do_Tocantins_1993.jpg

 - Referencias:

 

- BUCAR, Ruy. Palmas: História da Criação e Implantação. Edição: Sidney Madalena in PORTAL MADALENA. Disponível em 

 

- PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS: www.palmas.to.gov.br/conheca_palmas/

 

 - PLANO DIRETOR DO MUNICIPIO DE PALMAS: palmasplanodiretor.blogspot.com.br/2006/09/plano-diretor-do-municpio-de-palmas.html

 

- Site Oficial do Arquiteto: grupoquatro.com.br/site/

Como citar este documento:

Enciclopædia Biográfica de Arquitetos Digital

Autor(es) do verbete:: DURANTE, Silvio; SILVA, Sandra M. L.
Título: Luiz Fernando Cruvinel Teixeira

Documento nº: T04

Disponível na Internet via: www.ebad.info/#!teixeira-lus-fernando-cruvinel/c1bte
Última atualização: 17/12/2015

Início

Índice A-Z

Enciclopédia Biográfica de Arquitetas e Arquitetos Digital